Fazer loginInscrever-se
Resultados do blog
Mostrando 0 de 0 resultados
Mantenha a curiosidade! Você vai encontrar algo.
Ciência dos questionários

Acabe com pesquisas cansativas: três características que seus respondentes odeiam!

Acabe com pesquisas cansativas: três características que seus respondentes odeiam!

Você já perguntou aos respondentes o que eles acharam da sua pesquisa? Ela estava muito longa? Muito complicada? Muito pessoal?

Pode parecer incomum pedir esse tipo de feedback, mas é preciso ter em mente o tempo (e a sanidade) dos respondentes ao criar sua pesquisa. Pesquisas difíceis podem cansar, e o cansaço dos respondentes pode afetar a qualidade dos seus dados.

Se você acha que pedir feedback dos respondentes sobre o layout da pesquisa dá muito trabalho, não se preocupe. Cuidamos disso para você! Usamos o SurveyMonkey Audience para perguntar a pessoas de todas as partes dos EUA o que as irrita ao responder a pesquisas. Três pontos se destacaram dos demais.

1. Os respondentes não querem responder a pesquisas que demoram mais de dez minutos

Está tendo um dia cheio? Todo mundo passa por isso, inclusive os respondentes. É por isso que 60% das pessoas disseram não querer responder a pesquisas que demoram mais de dez minutos. No total, 87% das pessoas afirmaram não querer responder a pesquisas que demoram mais de 20 minutos.

Os respondentes querem dar sua opinião. Eles se importam, mas não o suficiente para passar metade do seu tempo de almoço respondendo a pesquisas. Valorize o tempo deles ao criar sua pesquisa, mantendo-a não muito longa.

Dica profissional: use a ferramenta SurveyMonkey Genius para avaliar sua pesquisa. Clique no botão "Avaliar meu questionário" na parte superior da tela "Criar". Ela informará o tempo que os respondentes levam para responder à pesquisa e dará dicas de como melhorá-la.

Existem dois grupos mais resistentes a pesquisas cansativas. Ou seja, é mais apropriado enviar pesquisas mais longas e demoradas para eles.

Respondentes envolvidos ou interessados no tema da pesquisa. Se você enviar uma pesquisa de feedback a uma associação de pais e professores, com certeza receberá respostas. Os pais normalmente se preocupam com questões que afetam seus filhos e, portanto, são mais dispostos a fornecer feedback.

É provável que grupos de respondentes como pais de alunos não se importem com o tamanho da pesquisa se eles acharem o tema importante.

Respondentes bem-incentivados. A oferta de incentivos para responder a uma pesquisa pode ser uma boa estratégia para obter mais respostas de pessoas que não necessariamente se interessam ou estão envolvidas com o assunto. É importante não exagerar nos incentivos, pois isso pode fazer com que as pessoas respondam rapidamente apenas para ganhar o prêmio.

Se você acha que é muito difícil encontrar um equilíbrio entre uma recompensa exagerada ou insuficiente, o SurveyMonkey Audience pode ajudá-lo. Fazendo uma doação de 50 centavos para uma instituição de caridade por pesquisa respondida, o SurveyMonkey Audience incentiva o fornecimento de respostas de qualidade com a oferta de um incentivo justo.

2. O uso de muitas perguntas obrigatórias pode prejudicar seus dados

Com o uso de perguntas obrigatórias, os respondentes não conseguem continuar a pesquisa, mesmo se eles não quiserem responder a uma pergunta.

A impossibilidade de ignorar uma pergunta pode causar frustração, que com certeza causará cansaço no respondente. Na verdade, apenas 36% dos respondentes disseram que normalmente voltam na pesquisa para fornecer a resposta correta nessa situação. O restante não tem uma opinião muito favorável quanto a isso.

No total, 27% disseram que a impossibilidade de ignorar uma pergunta é motivo suficiente para que desistam da pesquisa. Se muitas pessoas desistirem da pesquisa, você terá muito menos dados que o desejado.

Outros 25% disseram que voltam na pesquisa e fornecem qualquer resposta para conseguir continuar. Esse tipo de comportamento é o que chamamos de responder por responder e pode ser bem pior para seus dados do que pessoas que abandonam a pesquisa.

Se você estiver acompanhando as porcentagens, os 12% restantes disseram que o problema com perguntas obrigatórias nunca aconteceu com eles.

Não estamos dizendo que você nunca deve tornar as perguntas obrigatórias. Elas podem ser adequadas, principalmente no caso de perguntas cruciais. No entanto, é preciso avaliar quais e quantas perguntas serão obrigatórias. Você fará perguntas possivelmente delicadas ou difíceis? Então não as torne obrigatórias.

Importante: você se lembra daqueles dois grupos de pessoas que são mais resistentes a pesquisas longas? Eles também são mais receptivos a perguntas obrigatórias. Se os seus respondentes forem um grupo de pessoas interessadas no assunto ou se você estiver usando o SurveyMonkey Audience, poderá tornar mais perguntas obrigatórias.

3. Respeite os limites dos respondentes

Para os criadores, as pesquisas online podem parecer uma forma convenientemente impessoal de pedir informações para as pessoas. Afinal de contas, é mais fácil fazer perguntas delicadas quando você não está frente a frente com a pessoa.

No entanto, para os respondentes, essas perguntas podem ser tão delicadas quanto seriam pessoalmente. Perguntas delicadas que causam desconforto nos respondentes podem cansá-los.

Algumas perguntas são mais delicadas que outras, e você ficaria surpreso em saber quais.

  • No total, 77% das pessoas disseram que não forneceriam informações de contato, como telefone ou email em uma pesquisa.
  • Já 55% delas disseram que não forneceriam seu nome completo.
  • Outras 33% disseram que não informariam quanto ganham.
  • Já 27% delas disseram que não forneceriam informações com identificação geográfica, como código postal.
  • Por fim, 7% delas disseram que não forneceriam informações sobre raça ou etnia.

Lembre-se de que há ocasiões em que esses tipos de pergunta são apropriadas. Por exemplo, em pesquisas usadas como formulário de inscrição (com os respondentes cientes disso), nome, informações de contato e informações geográficas podem ser componentes cruciais.

Os resultados acima não tratam de perguntas desconfortáveis ou delicadas, porque elas são muito pessoais. No entanto, a mesma lição se aplica a elas: é fundamental ser sincero quanto aos seus motivos. Se estiver claro para os respondentes o motivo das perguntas, é mais provável que eles respondam.

Dica profissional: escreva uma introdução para sua pesquisa, explicando por que você está fazendo essas perguntas. Se, além disso, você garantir a privacidade dos respondentes, a probabilidade de eles responderem a perguntas delicadas ou pessoais será muito maior.

O que seus respondentes esperam da sua pesquisa? Eles querem que você respeite o tempo, a sanidade e os limites deles. Não é pedir muito. É fácil acertar nesses pontos. Basta ter consciência sobre o que está perguntando, de que forma e o tempo que levará para responder à pergunta.

Precisa de ajuda para encontrar esses equilíbrio? Estamos aqui para ajudar.