Pesquisa causal: como a descoberta de conexões leva a decisões de negócios

O que é pesquisa causal?

Para responder a essa pergunta, analisaremos a finalidade dela, como implementá-la no seu projeto de pesquisa e alguns ótimos exemplos de como as organizações estão usando-a para tomar melhores decisões de negócios.

Pesquisa causal: o que é e por que ela é importante

A pesquisa causal se enquadra na categoria de pesquisa conclusiva devido à sua tentativa de revelar a relação de causa e efeito entre duas variáveis. Assim como a pesquisa descritiva, ela tenta provar uma ideia sugerida por alguém ou uma organização. No entanto, as duas formas de pesquisa têm diferenças significativas em seus métodos e objetivos. A pesquisa descritiva tem escopo amplo e tenta definir melhor uma opinião, atitude ou comportamento de um grupo específico. Já a pesquisa causal tem apenas dois objetivos:

  1. Entender quais variáveis são a causa e quais são o efeito. Por exemplo, vamos imaginar que uma prefeitura queira reduzir os acidentes de trânsito. Por meio de pesquisa preliminar descritiva e exploratória, ela descobre que tanto os acidentes quanto a violência no trânsito têm aumentado nos últimos cinco anos. Em vez de automaticamente pressupor que a violência no trânsito seja a causa desses acidentes, é importante tentar descobrir se o oposto pode ser verdadeiro. É possível que o aumento da violência no trânsito seja decorrente do maior número de acidentes devido a bloqueios de vias e aumento no tráfego. Também é possível que uma correlação não garanta causalidade. Esse aumento da violência e dos acidentes de trânsito pode ser resultante de outro motivo, como construção, falta de controles adequados de tráfego ou influxo de novos motoristas.
  2. Determinar a natureza da relação entre as variáveis causais e o efeito previsto. Continuando com nosso exemplo, vamos supor que a prefeitura tenha comprovado que a violência no trânsito teve um efeito crescente no número de acidentes de trânsito na região. A pesquisa causal pode ser usada para: 1) medir a importância do efeito, como calcular o percentual de aumento de acidentes que possam contribuir para a violência; e 2) observar como funciona a relação entre as variáveis (isto é, motoristas irritados são propensos a acelerar de forma perigosa ou a correr mais riscos, resultando em mais acidentes).

Esses objetivos tornam a pesquisa causal mais científica que sua alternativa exploratória e descritiva. Para alcançar esses objetivos, os pesquisadores causais precisam isolar a variável que acreditam ser responsável pela ocorrência de um fato e medir sua real importância. Com essas informações, é possível decidir com confiança se é válido usar uma variável, como a inclusão de uma melhor sinalização de trânsito, ou tentar eliminar uma variável, como a violência no trânsito.

Como implementar a pesquisa causal de maneira eficaz

A pesquisa causal deve ser considerada pesquisa experimental. Lembre-se de que o objetivo dessa pesquisa é comprovar uma relação de causa e efeito. Tendo isso em mente, é importante ter parâmetros e objetivos bem-definidos. Se você não entender bem seu plano de pesquisa e o que está tentando comprovar, suas descobertas não serão confiáveis e terão um alto viés do pesquisador. Tente usar a pesquisa exploratória ou descritiva como a ferramenta de base do seu plano de pesquisa.

Assim que o plano e os objetivos da sua pesquisa forem bem definidos, configure seu experimento causal de forma adequada. Veja aqui três principais condições a serem verificadas no experimento causal antes de aplicá-lo:

  1. A relação de causa e efeito é comprovada ou refutada pelo experimento. Isso pode parecer óbvio, mas se você não garantir que seu plano de pesquisa esteja diretamente ligado ao objetivo dela, os resultados finais do seu estudo serão infrutíferos. Para garantir que seu estudo tenha resultados, de uma forma ou de outra, observe qual é seu ambiente normal e intensifique a frequência ou a eficiência da variável causal.
  2. Você está claramente identificando quais variáveis estão sendo testadas como independentes (causa do efeito) e dependentes (alvo do efeito). Conforme discutido no exemplo da prefeitura, em vários casos, é difícil definir qual variável depende de outra. Por isso, é essencial identificar quais serão testadas e de que forma antes do experimento. A variável independente é normalmente o fator adicionado ao ambiente.

    Por exemplo, vamos imaginar que o aumento de opções de cores de carros aumente as vendas. Nesse caso, o número de opções de cores é a variável independente, e o nível das vendas é nossa variável dependente. O próximo passo é medir a taxa normal de venda na concessionária e depois incluir uma gama maior de cores de carros. Depois de descobrir os novos números de vendas, compare os dois conjuntos de dados e estude o efeito nas vendas.
  3. Não há variáveis externas que também possam estar causando alterações nos seus resultados. Sem considerar possíveis fatores que possam causar alterações na sua variável dependente, não é possível garantir que a variável sendo testada seja verdadeiramente responsável pela causa dos efeitos medidos. Em laboratório, os cientistas conseguem criar um ambiente totalmente neutro. Infelizmente, nós temos que lidar com o ambiente que temos. Por isso, ao criar um plano de pesquisa, é importante garantir que o ambiente tenha condições o mais similares possível com o da medição dos resultados normais.

    Por exemplo, vamos supor que o proprietário de uma sorveteria queira estudar o efeito que um palhaço segurando bexigas em frente da loja teria sobre as vendas. Não é uma ideia ótima? No entanto, seria uma péssima ideia usar suas vendas de verão como fonte normal dos dados para seu experimento no inverno, pois o clima tem um enorme efeito sobre as vendas de sorvetes.

Quem usa pesquisas causais e como posso incorporá-las nas minhas metas de negócios?

Independentemente do seu tipo de organização e das suas metas, a pesquisa causal pode ser usada para seu benefício. O objetivo dela é comprovar a existência de uma relação específica. Do ponto de vista da empresa, se você quiser confirmar que uma estratégia funciona ou ter confiança ao identificar as origens de um problema, a pesquisa causal é a resposta. Vejamos alguns exemplos de como a pesquisa causal pode ser implementada com diferentes objetivos em mente:

  • Aumentar a retenção de cliente: a maioria das franquias realiza experimentos de pesquisa causal em suas lojas. Por exemplo, uma grande oficina mecânica realizou recentemente um experimento no qual algumas lojas aplicaram uma política na qual o funcionário deve conversar com o cliente durante a avaliação do veículo. Eles foram instruídos a abordar as reclamações e a usar termos leigos para descrever os problemas do carro, fazendo com que o cliente realmente entenda o que está acontecendo.

    Esse experimento foi implementado devido a uma pesquisa online que identificou que a falta de comunicação entre o funcionário e o cliente era uma barreira à fidelidade dos clientes. Após identificar duas soluções para esse problema (facilitar a discussão e aumentar o entendimento do cliente), a empresa usou esse experimento para descobrir a eficácia dessas soluções no aumento da retenção de clientes. Ao comparar as vendas com as de lojas que não participaram do experimento, a empresa observou um aumento significativo na fidelidade do cliente.
  • Iniciativas de comunidade: prefeituras normalmente usam pesquisa causal para avaliar o sucesso de suas iniciativas de comunidade. Vamos supor que a cidade de São Paulo tenha realizado uma pesquisa e descobriu que os paulistanos estão insatisfeitos com as opções atuais de transporte público. Ela pode implementar uma estratégia de criação de mais estacionamentos próximos a pontos de ônibus para incentivar as pessoas a andarem de ônibus. Após a implementação dessa estratégia, a prefeitura pode reenviar a mesma pesquisa e avaliar o efeito na satisfação geral com o transporte público.
  • Publicidade eficaz: a publicidade é um dos setores que mais usa pesquisas causais. Na maioria das vezes, as empresas testam campanhas de anúncio em pequenas áreas antes de expandi-las para outros locais. A ideia é descobrir se o anúncio gerou um aumento suficiente nas vendas, no número de clientes potenciais ou no interesse público nessas regiões antes de implementá-lo de fato.
    Várias organizações vão além e criam pesquisas para perguntar aos clientes o que os impulsionou a visitar a loja ou se interessar pelos seus serviços. Agora, é possível comparar as respostas dos clientes localizados na região do experimento com as respostas da base geral de clientes e descobrir se o aumento é resultado direto da publicidade.

Coloque sua pesquisa em prática

Com seu novo conhecimento de pesquisas causais, você poderá criar planos de pesquisa mais eficazes que aproveitam todas as oportunidades de negócios.

Veja como a SurveyMonkey pode incentivar sua curiosidade