Como usar pesquisas quantitativas com eficiência

Como identificar métodos quantitativos e coletar dados

Pesquisas quantitativas permitem extrapolar os resultados de uma amostra para um grupo maior de pessoas.

Por serem estruturadas e estatísticas, possibilitam que você tire conclusões e tome decisões informadas sobre a melhor ação a ser tomada.

As pesquisas quantitativas são normalmente usadas para comprovar ou refutar uma hipótese predeterminada na pesquisa qualitativa.

Perguntas quantitativas formam grande parte da maioria das pesquisas, mas costumam ser empregadas de maneira ineficiente. Ao criar uma pergunta quantitativa, lembre-se de que ela deve alcançar um destes três objetivos:

1. Definir uma característica dos seus respondentes: todas as perguntas fechadas visam definir melhor uma característica dos respondentes. Elas podem ser usadas para obter informações sobre:

  • Uma característica: identificar a idade, o sexo, a raça, a renda, etc.
  • Um comportamento: identificar hábitos dos respondentes, como horas passadas na internet semanalmente, tipos de transporte usados, rotina de exercícios, etc.
  • Uma opinião ou atitude: identificar opiniões dos respondentes, como o nível de satisfação com relação a um político eleito ou um produto adquirido.

O conhecimento dessas características ajuda a entender quem são os respondentes, como eles agem e de que eles gostam ou o que esperam.

2. Medir tendências dos dados: a aplicação da mesma pesquisa em momentos diferentes permite reconhecer tendências nos dados. As opiniões podem começar a se inclinar lentamente para uma direção ou você pode reconhecer padrões sazonais. A análise de tendências com o tempo contextualiza os resultados da sua pesquisa.

Por exemplo, vamos supor que você tenha pedido para seus clientes avaliarem a satisfação com o atendimento ao cliente em uma escala de “muito satisfeito” a “muito insatisfeito”, e 20% deles disseram estar “muito satisfeitos”. Embora seja bom saber como está seu desempenho no momento, esse número também pode ser usado como parâmetro para medir seu progresso no futuro.

Depois de aplicar a pesquisa original, você faz mudanças para atender melhor às necessidades dos clientes. Agora, você pode aplicar a mesma pesquisa novamente e ver se a porcentagem de clientes que afirmaram estar "muito satisfeitos" aumentou ou diminuiu. Isso permite medir com eficiência seu progresso com a satisfação do cliente com o tempo, além de medir diretamente os efeitos de novas iniciativas e processos implementados entre as pesquisas.

3. Comparar grupos: as perguntas da pesquisa também podem ser usadas para comparar grupos de respondentes.

Vamos voltar para o exemplo acima. Ao adicionar perguntas demográficas sobre a idade, o sexo e a renda dos respondentes, é possível comparar perguntas como "Os homens mais jovens estão mais satisfeitos com o serviço do que as mulheres mais velhas?".

Ao comparar grupos diferentes, é possível decidir quem segmentar, como entrar em contato com eles e quando seu produto precisa mudar para se adequar a um mercado específico. Também é possível comparar a porcentagem dos clientes satisfeitos a uma referência para descobrir seu desempenho com relação aos concorrentes.

Outros usos de pesquisas quantitativas

É possível usar pesquisas quantitativas de diversas maneiras, não apenas em pesquisas. Veja alguns exemplos:

Observação de dados reais: você pode coletar dados todos os dias que podem ajudar a tomar decisões orientadas quantitativamente. Eles podem variar desde o tempo de acesso de um cliente no seu site até as épocas de pico nas vendas. Essas informações do mundo real, que recentemente passaram a ser denominadas Big Data, podem ser úteis tanto para orientar suas decisões quanto para conduzir sua própria pesquisa.

O Big Data pode revelar muito sobre o que as pessoas fazem. No entanto, lembre-se de que ele raramente revela por que as pessoas agem de uma maneira específica. É necessária uma pesquisa quantitativa e qualitativa mais direta para isso descobrir o motivo.

Experimentação casual: para tentar entender o porquê um pouco melhor, a experimentação casual tenta determinar uma relação de causa e efeito observando o que acontece quando algo novo é introduzido em um ambiente. Esse novo elemento pode ser qualquer coisa, como a medição do efeito de um comercial sobre as vendas ou das festas do escritório sobre o envolvimento dos funcionários.

Vamos supor que você pretenda mudar a embalagem de um produto e, para isso, quer entender o possível impacto sobre as vendas. Você pode apresentar a nova embalagem em algumas lojas e comparar as vendas com a embalagem antiga. A experimentação casual é o conceito por trás do teste A/B.

Agora, você tem as ferramentas para fazer isso acontecer, mas não se esqueça de incorporar uma pesquisa qualitativa antes disso. Para saber mais sobre como usar as duas na elaboração da sua pesquisa, consulte este artigo.

Este artigo faz parte do projeto "Introdução a questionários" da SurveyMonkey. Queremos ajudar as pessoas a criarem pesquisas mais inteligentes. Saiba mais sobre o projeto e sobre nosso envolvimento na comunidade de pesquisa.

Veja como a SurveyMonkey pode incentivar sua curiosidade